22 de fev de 2014

Na madrugada do último domingo o ANDES no seu 33º Congresso do ANDES, aprova 2014 como o ano da educação.




O primeiro texto de resolução votado prevê, entre outras ações, a articulação com os movimentos classistas populares e sindicais para a construção de uma agenda de lutas e ações que evidencie 2014 como o ano da educação, com encontros preparatórios no primeiro semestre antecedendo o Encontro Nacional de Educação previsto para agosto. Os delegados aprovaram ainda reafirmar os princípios e estabelecer diretrizes e metas do Plano Nacional de Educação da Sociedade Brasileira, visando à atualização deste instrumento de luta como proposta contrária a que vem sendo empreendida pelos governos.
Ainda em relação às políticas de educação, os docentes deliberaram por intensificar na base a discussão sobre as reformas na educação básica, em especial sobre o PL 6840/2013, reconhecendo a pluralidade de setores que compõem a base do Sindicato Nacional. O ANDES-SN deverá articular através do setorial de educação da CSP-Conlutas com outros sindicatos de profissionais da educação e movimentos sociais e populares espaços de discussão sobre a educação básica, profissional e tecnológica. Além disso, irá também incorporar-se ao debate nacional sobre Universidade Popular na busca de fortalecer os laços do movimento docente com os movimentos sociais.


A plenária de Políticas Sociais aprovou ainda intensificar a luta no combate ao assédio moral e sexual nas Instituições de Ensino Superior, com a realização de um seminário sobre o tema.
As principais resoluções que orientaram a categoria para sua luta em 2014. 
Em relaçaõ aos Servidores Públicos Federais:
Campanha para 2014, a partir de temáticas como:
• Valorização salarial 
• Luta pela reestruturação da carreira docente
• Intensificação as ações unitárias de servidores públicos com outras organizações e com os movimentos sociais e populares. 
Em plenária foi aprovada a não greve para o momento, ententendo-se que a greve é apenas um dos instrumentos de reivindicação. No entanto, um plano de construção, com debates permanentes e paralizações  no dia 19  e 31 de março e 01 de abril unificadas.


Fonte: delegados da ADUNIR no 33 ºcongresso